quinta-feira, março 23, 2017

Dinossauros em tamanho real vão invadir ruas da Lourinhã

Dinossauros em tamanho real vão invadir ruas da Lourinhã. Replicamos aqui integralmente a notícia da TVI:

Dinossauros à solta

São seis modelos, em tamanho real, vão ser colocados em diversas ruas, a partir da próxima segunda-feira


Seis modelos em tamanho real de dinossauros que viveram há 150 milhões de anos vão, a partir de segunda-feira, ser colocados em diversas ruas da Lourinhã para promover a ‘capital dos dinossauros', anunciou hoje a câmara.
O maior dinossauro, o carnívoro tiranossauro rex, tem 13 metros de comprimento e quatro de altura e vai ficar exposto frente aos Paços do Concelho, enquanto o mais pequeno, um carnívoro alossauro juvenil, tem 2,90 metros de comprimento e 1,30 metros de altura e pode ser visitado no Posto de Turismo da vila, disse o vereador do planeamento estratégico, Vital do Rosário, à agência Lusa. Os dinossauros do Jurássico Superior, período a que pertence a maior parte dos achados paleontológicos do concelho (distrito de Lisboa), vão ficar expostos até agosto.
Com a iniciativa, o município tem como objetivos "promover a Lourinhã como ‘capital dos dinossauros' e lançar o novo projeto museológico do Parque dos Dinossauros", cuja construção arrancou em janeiro e deverá abrir ao público no início de 2018.
"Estamos a cumprir os prazos previstos", afirmou em nota de imprensa Franz-Josef Dickmann, um dos promotores alemães, também detentores do Dinopark, um museu dos dinossauros localizado na cidade alemã de Münchenagen, e representante da empresa PDL, constituída para construir e gerir o Parque dos Dinossauros da Lourinhã.

Os seis modelos de dinossauros à escala real são os primeiros a chegar à Lourinhã dos cerca de 120 que o parque vai ter como uma das atrações turísticas. O projeto museológico corresponde a um investimento de 3,5 milhões de euros, dos quais dois milhões são financiados por fundos comunitários já aprovados, no âmbito do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização - COMPETE 2020.
O Parque Jurássico da Lourinhã vai ocupar, numa primeira fase, dez dos 30 hectares do terreno onde funcionou a antiga lixeira municipal.
Contempla a construção de um edifício com área de exposição de achados paleontológicos, loja e laboratório de preparação de fósseis e de um parque ao ar livre, para exposição de mais de uma centena de modelos de dinossauro em tamanho real. "O maior dinossauro terá um comprimento superior a 23 metros", adiantou Franz-Josef Dickmann.
Para o Turismo de Portugal, o Parque Jurássico da Lourinhã é um "projeto de características marcadamente diferenciadoras, tomando como base um recurso particularmente relevante do ponto de vista científico e histórico" - achados de dinossauros com 150 milhões de anos.
Para aquela entidade, o Parque dos Dinossauros da Lourinhã é visto como um projeto de "grande impacto para o desenvolvimento turístico da região", pela capacidade de atrair turistas e dinamizar a economia local. O parque deverá receber por ano 200 mil visitantes.
Desde há dez anos que a Câmara Municipal ambiciona ter um novo museu, para dar a conhecer os achados paleontológicos. Contudo, o projeto, cujas construção e abertura ao público chegaram a ser anunciadas várias vezes, tem vindo a ser adiado por falta de financiamento. O atual museu, por ser exíguo e não ter dimensão para expor toda a coleção de fósseis de dinossauro, atrai por ano 25 a 30 mil visitantes.

Fonte:
http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/camara/dinossauros-em-tamanho-real-vao-invadir-ruas-da-lourinha

quarta-feira, março 22, 2017

Árvore dos dinossauros é abanada, com mudança radical na classificação

Até agora classificação dos dinossauros tem sido estável numa coisa: o grupo Dinosauria divide-se em Ornithischia e os Saurischia. Mas toda essa sistemática é agora posta em causa num novo artigo publicado na revista Nature por Matthew G. Baron, David B. Norman e Paul M. Barrett "A new hypothesis of dinosaur relationships and early dinosaur evolution".
Nesta nova hipótese, os terópodes e os ornitísquios são um grupo-irmão (os Ornithoscelida) separado dos sauropodomorfos que começam a incluir Herrerasaurus. Isto é um grande abanão na árvore dos dinossauro, com rearranjo de grupos que se julgavam estáveis. Esta classificação muda todos os livros clássicos sobre dinossauros.


As novas definições dos clados passam a ser:

Dinosauria: The least inclusive clade that includes P. domesticus, T. horridus and D. carnegii
Ornithoscelida: The least inclusive clade that includes P. domesticus and T. horridus
Saurischia: The most inclusive clade that contains D. carnegii, but not T. horridus
Theropoda: The most inclusive clade that contains P. domesticus, but not D. carnegii or T. horridus
Ornithischia: The most inclusive clade that contains T. horridus, but not P. domesticus or D. carnegii
Sauropodomorpha: The most inclusive clade that contains D. carnegii,but not T. horridus, P. domesticus or H. ischigualastensis
Herrerasauridae: The least inclusive clade that includes H. ischigualastensis and Staurikosaurus pricei.



E algumas das sinapomorfias dos Ornithoscelida:
1, anterior premaxillary foramen; 2, diastema; 3, sharp ridge on maxilla; 4, jugal excluded from antorbital fenestra;5, anteroventrally oriented quadrate; 6, elongate quadrate–squamosal contact; 7, elongate paroccipital processes; 8, post-temporal foramen enclosed within paroccipital processes; 9, supraoccipital that is taller than it is wide; 10, foramen on lateral surface of dentary; 11, straightretroarticular process; 12, scapula, length>3× distal width; 13, ventrally bowed humerus; 14, open acetabulum; 15, broadened anterior trochanter, partially separated from femoral shaft; 16, fibular crest; 17, oblique distal surface of tibia; 18, fusion of distal tarsals to metatarsals.

terça-feira, março 14, 2017

Laboratório de MacroPaleontologia na NOVA

Decorreu ontem, dia 13 de Março de 2017, pelas 12:00 horas, no piso térreo do Departamento de Ciências da Terra da FCT - Universidade Nova de Lisboa a inauguração do "Laboratório Professor Miguel Telles Antunes - Laboratório de Macropaleontologia". Estiveram presentes, entre outros, o Sr. Diretor da FCT -UNL, Prof. Fernando Santana, o Director do Departamento de Ciências da Terra, Prof. José Carlos Kullberg e, naturalmente, o homenageado, Prof. Miguel Telles Antunes.

Laboratório de Macro Paleontologia de Vertebrados - FCT UNL

quinta-feira, março 09, 2017

Duas novas espécies de foraminíferos do Jurássico de Portugal


Foram agora reportadas duas novas espécies de foraminíferos do Jurássico de Portugal:
Globuligerina tojeiraensis sp. nov. e Conoglobigerina grigelisi sp. nov. do Kimmeridgiano da Formação de Tojeira, em Montejunto por Felix M. Gradstein.



Globuligerina tojeiraensis sp. nov. e Conoglobigerina grigelisi sp. nov. (Gradstein 2017)


Estes foraminíferos pertencem ao clade Globigerinida que são encontrados como plâncton marinho. Produzem testes hialinos calcários e são conhecidos como fósseis a partir do período Jurássico. O grupo incluiu mais de 100 géneros e para cima de 400 espécies, das quais existem actualmente cerca de 30 espécies. Um dos géneros mais importantes é Globigerina; Vastas áreas do fundo do oceano são cobertas com Globigerina, dominado pelas conchas de formas planctônicas.

Gradstein, F.M., 2017. New and emended species of Jurassic planktonic foraminifera. Swiss Journal of Palaeontology, pp.1-25.

quarta-feira, março 08, 2017

Ovos fósseis de Portugal mostram uma evolução muito lenta dos ovos de crocodilo desde o Jurássico


Uma nova pesquisa com ovos fósseis de Portugal com 152 milhões de anos mostrou que se tratam de parentes próximos dos crocodilos e que seu tipo de ovo mudou muito pouco desde então. Os ovos foram encontrados nas rochas do Jurássico Superior nas arribas costeiras do oeste de Portugal.

Os ovos agora descritos foram encontrados em rochas cerca de 152 milhões de anos de idade tornando-os os mais antigos ovos fósseis de crocodilomorfos conhecidos até agora. Os crocodilomorfos são o grupo do antepassado comum a todos os crocodilos. O ovo mais antigo deste tipo que se conhecia até então era do Texas e tinha cerca de 112 milhões de anos. Assim, a nova descoberta de Portugal alarga o conhecimento deste tipo de ovos em cerca de 40 milhões de anos.
Postura de ovos de crocodilomorfo.


Um dos aspectos mais notáveis ​​destes ovos é como são semelhante aos de crocodilos modernos, indicando que a evolução da morfologia do ovo foi muito lenta e que mudou muito pouco nos últimos 152 milhões de anos de história dos crocodilos e dos seus antepassados. Obviamente, há um certo grau de variação entre ovos diferentes, por exemplo, no tamanho do ovo ou mudanças microscópicas na casca do ovo, mas as características morfológicas fundamentais são as mesmas. Os ovos foram considerados ligeiramente diferentes de quaisquer outros ovos previamente descritos, portanto, foram consideradas duas novas oospécies, que são equivalentes a novas espécies, mas apenas aplicadas aos ovos.



De facto, o registo fóssil diz-nos que os crocodilos e seus parentes (formando o grupo maior dos crocodilomorfos) eram muito mais diversos no passado, com diferentes hábitos alimentares, distribuição de nicho ecológico ou morfologia. "Este estudo mostra que os ovos permaneceram praticamente inalterados ao longo da evolução do grupo durante pelo menos os últimos 150 milhões de anos" diz João Russo, o primeiro autor do estudo, que resulta da tese de Mestrado em Paleontologia.

Suchoolithus portucalensis, oogen. and oosp. nov.

A tese, que foi orientada por Octávio Mateus da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã, e co-autor do estudo publicado na revista PLOS ONE, mostrou através de uma análise microscópica detalhada que algumas destas cascas de ovos são quase idênticas aos crocodilos modernos, como o aligator. Além disso, um dos espécimes descritos é um dos melhores exemplos de uma postura não eclodidas e também uma das mais pequenas pois cada ovo é do tamanho de um polegar. Alguns ovos tinham restos de embriões, mas demasiados pequenos e fragmentados para serem identificados com mais detalhe.

A colecção de fósseis do Museu da Lourinhã, em Portugal, já é conhecida pelo extenso e único registo de ossos e ovos de dinossauros do Jurássico Superior, incluindo a presença de ninhos e embriões, mas os ovos de crocodilomorfos do Jurássico eram praticamente desconhecidos até agora.

Referência: Russo, Mateus, Marzola and Balbino. 2017 Two new ootaxa from the Late Jurassic: the oldest record of crocodylomorph eggs, from the Lourinhã Formation, Portugal. PLOSONE.

As primeiras mulheres na paleontologia de Portugal

Neste Dia da Mulher (8 de Março) fazemos uma referência às primeiras mulheres que trabalharam em fósseis de Portugal. Estas foram as pioneiras na paleontologia de Portugal:


Geneviéve Termier (1917-2005)
Geneviéve Termier (n. 2 de Abril de 1917, Paris; f. 27 de Maio de 2005)
Geneviéve Termier 
Trabalhou com espongiários do Jurássico com Miguel Ramalho e com Berthou nos moluscos do Cenomaniano.
Autora de:
Termier, G., Termier, H. and Ramalho, M., 1985. Spongiofaunes du Jurassique supérieur du Portugal. Comunicações dos serviços geológicos de Portugal, 7, pp.197-222.
Termier, H., Termier, G. and Ramalho, M., 1985. Sur les spongiofaunes de l'Oxfordien supérieur et du Kimmeridgien du Portugal; description du Neuroporidé Periomipora elegantissima nov. Comptes rendus de l'Académie des sciences. Série 2, Mécanique, Physique, Chimie, Sciences de l'univers, Sciences de la Terre, 300(19), pp.975-980.
Fonte: http://www.rareresource.com/paleontologists/Genevieve-Termier.html


Catharina Groot (1921?-2002?)
Catharina R. Groot publicou com Johan J. Groot um único trabalho em Portugal, sobre microfósseis de plantas do Cretácico. O contexto leva-nos a deduzir, que se trata de sua esposa. Publicou muitos trabalhos com ele.
Obras publicadas:
Groot, J. J., & Groot, C. R. (1962). Plant microfossils from Aptian, Albian and Cenomanian deposits of Portugal.

Joaquina Monteiro de Andrade (1922-?)
Joaquina Borges Baltazar de Pinho Montenegro de Andrade (1922- ) foi autora de:
de Andrade, M. M., & de Andrade, J. B.M. (1957). Estado actual dos conhecimentos sobre a paleontologia de Angola.

Nicole Grambast-Fessard (1927-2010)
Nicole Grambast-Fessard, nasceu em Paris em 1927 e morreu a 10 de agosto de 2010 em Montpellier. Estudou carófitas.
Autora de:
Grambast-Fessard, N. and Ramalho, M., 1985. Charophytes du Jurassique supérieur du Portugal. Revue de micropaléontologie, 28(1), pp.58-66.
Grambast-Fessard, N., 1980. Quelques espèces de Clypeator Grambast (Clavatoraceae) et les charophytes associées du Crétacé inférieur du Portugal. Revue de Micropaléontologie, 23(1), pp.33-47.
Grambast-Fessard, N., 1980. Quelques espèces de Clypeator Grambast (Clavatoraceae) et les charophytes associées du Crétacé inférieur du Portugal. Revue de Micropaléontologie, 23(1), pp.33-47.
Grambast, L. and Grambast-Fessard, N., 1972. Étude sur les Charophytes tertiaires d'Europe occidentale (Vol. 1). Laboratoire de paléobotanique, Université des sciences et techniques.


Solange Vallin
Dedicou-se à paleobotânica. Baptizou algumas espécies de vegetais fósseis como Cupressinoxylon lusitanensis Vallin 1966 e Leguminoxylon teixeirae Vallin.
Artigos publicados:
Vallin, S. 1965. Sur une Cupressaceae fossile du Portugal. Boletim da Sociedade Geológica de Portugal, Vol. XVI, 1965, p. 125-136
Vallin, S., 1965. Sur une Legumineuse fossile nouvelle du Portugal. Bol. Soc. geol. Portugal, 16, pp.111-24.
Boureau, E. and Vallin, S., 1965. Sur la presence du Leguminoxylon aff. schoelleri Boureau au Portugal. Bol. Soc. geol. Portugal, 16, pp.137-52.
Vallin, S., Contribution à l'étude des flores fossiles du Portugal: Les Cupressinoxylon, répartition stratigraphique, intérêt paléoclimatique (Doctoral dissertation).
Vallin, S., Contribution à l'étude des flores fossiles du Portugal.

terça-feira, março 07, 2017

Dinossauros da Lourinhã em exposição em França



Decorrerá, entre 18 de Março e 8 de Abril, na vila francesa de Deuil-La Barre, a exposição "Jurassic Deuil", fruto da colaboração entre a Câmara Municipal da Lourinhã, a congénere francesa de Deuil-La Barre, nos arredores de Paris, e o Museu da Lourinhã. Apresentar-se-à ao público com actividades diversas que incluem ateliers temáticos, exposições e conferências.

Programa completo disponível aqui.




Segundo o site do Museu da Lourinhã:

Exposição do Museu da Lourinhã viaja até França!
No âmbito do protocolo de geminação existente entre os Municípios da Lourinhã e de Deuil-la Barre (França), o Museu da Lourinhã e estas duas entidades abraçaram o projeto de levar de novo a Lourinhã a terras francesas, através da realização de uma exposição temporária de paleontologia intitulada “Os Dinossauros da Lourinhã em Deuil-la Barre”. Esta exposição decorrerá entre os dias 18 de março e 8 de abril do corrente ano, simultaneamente em dois espaços distintos da vila francesa.

Num dos espaços, onde estará patente a exposição propriamente dita, o público poderá apreciar vários fósseis e réplicas de algumas das espécies mais emblemáticas da Lourinhã, como sejam o Lourinhanosaurus antunesi, o Miragaia longicollum ou o Zby atlanticus. Também estarão presentes réplicas de crânios de Ceratossauro e Brachiosauro, ossos longos doutras espécies, pegadas e invertebrados, assim como de ovos de dinossauros!
Na outra sala, dirigida principalmente ao público mais novo, a exposição irá funcionar como um complemento contextual e pedagógico. O que é a geologia, o que é a paleontologia, porque a Lourinhã é tão rica em fósseis de dinossauro? São algumas das perguntas a que a exposição irá responder. As crianças poderão tocar em réplicas e até mesmo num fóssil, simular a descoberta e a escavação de fósseis numa caixa de areia! Serão ainda organizados ateliers para os mais novos, afim de encenarem trabalhos de preparação de fósseis.
Finalmente, dois dos nossos investigadores, Octávio Mateus e Bruno Pereira, irão estar presentes em dois momentos distintos, para apresentarem a riqueza do espólio da Lourinhã e de Portugal. Outros investigadores franceses também irão conferenciar sobre temas da paleontologia.

Este é um grande trabalho de colaboração para estreitar os laços entre as nossas comunidades e divulgar mais uma vez o nome e o trabalho do Museu da Lourinhã além-fronteiras!

exposição temporária Museu Lourinhã em França


Fontes:
http://www.deuillabarre.fr
http://www.museulourinha.org
http://www.leparisien.fr/deuil-la-barre-95170/deuil-la-barre-veut-devenir-la-capitale-europeenne-du-dinosaure-05-02-2016-5518505.php



segunda-feira, fevereiro 27, 2017

Osteologia de lagartos europeus


Saiu um novo trabalho liderado por Andrea Villa que se debruça sobre osteologia, registo fóssil e paleobiodiversidade de lagartos europeus. 
O estudo  publicado na revista Amphibia-Reptilia e que também contou com a participação do nosso colaborador Emanuel Tschopp confirma, com dados osteológicos, a monofilia do género Lacerta que, em Portugal, inclui o lagarto-de-água Lacerta schreiberi. O sardão, previamente denominado Lacerta lepida, é o outgroup, e com o nome Timon lepidus.
"Lacertilia", desenhado por Ernst Haeckel
publicado no Kunstformen 
der Natur, 1904

Abstract. The capability of palaeontologists to identify fossil remains of a particular group of vertebrates strongly depends on the knowledge they have of its comparative osteology and on the actual presence of diagnostic differences among the considered taxa. This could have a relevant influence on the study of palaeodiversity, since a low recognisability causes a loss of data when trying to reconstruct the history of taxa that lived on Earth in the past. Currently, more than 6000 extant species of lizards and worm lizards are known, and new ones continue to be discovered, mainly based on molecular data. But are we able to recognise this high diversity using osteology? As far as European taxa are concerned, the osteological recognisability of non-snake squamates is very low: only 31% of the extant European taxa can be identified based on their skeletal morphology.
This is balanced partially by the fact that most recognisable taxa have been actually recognised in the fossil record, suggesting that the lost data are mainly due to the scarce knowledge of the comparative osteology of these reptiles and less influenced by other biases, such as taphonomic or collection biases. In this context, specimen-level phylogenetic analysis has proved to be a useful tool to identify diagnostic combinations of osteological features, at least for lacertid species, as evidenced by a case study focused on the genus Lacerta.

Filogenia do género Lacerta (Villa et al., 2017)

Villa, A., Tschopp, E., Georgalis, G.L. and Delfino, M., 2017. Osteology, fossil record and palaeodiversity of the European lizards. Amphibia-Reptilia38(1), pp.79-88. PDF
http://booksandjournals.brillonline.com/content/journals/10.1163/15685381-00003085 



Sobre uma panorâmica de um ecossistema do Cretácico Inferior de Espanha num novo artigo


Imagens do artigo por Gasca et al. (2017)
O estudo agora publicado na revista Palaeo3 por uma equipa de investigadores de Portugal, Espanha, Argentina e da Alemanha, da qual faz parte Miguel Moreno-Azanza, investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA) e colaborador do Museu da Lourinhã, revela a preservação de diferentes tipos de dinossauros e outros restos fósseis de vertebrados (ossos, cascas de ovo e pegadas) do Barremiano (Cretácico Inferior) da Formação de Mirambel (Bacia do Maestrazgo, Cadeia Ibérica, NE de Espanha).
Só dentro desta unidade, na área de Ladruñán, na província de Teruel, foram reconhecidos 31 locais contendo fósseis de variados vertebrados e trilhos de dinossauros.

O registro de dinossauros identificado inclui ornitópodes, terópodes e saurópodes; os trilhos permitem concluir que estes frequentavam zonas costeiras de lagos, planícies aluviais e cursos fluviais. Os fragmentos de cascas de ovos são frequentes em toda a unidade, mas são claramente mais comuns em depósitos lacustres. 



O resumo, em inglês, é o seguinte:
The Barremian Mirambel Formation (Maestrazgo Basin, Iberian Chain, NE Spain) preserves different types of dinosaur and other vertebrate fossils (skeletal, eggshell and ichnological remains). A total of 31 vertebrate fossil sites and tracksites have been recognized within this unit in the Ladruñán area (Teruel province). Detailed stratigraphic, sedimentological and micropalaeontological analyses have also been performed in the unit. A vertical sedimentary trend from alluvial-dominated facies (meandering river and related overbank areas) to palustrine-lacustrine facies and back has been defined for the Mirambel Formation in this area. The depositional system was located close to the coastline, as indicated by sporadic marine input in the lower part of the unit.
Most fossil remains were recovered by surface collection as well as by the usual techniques used for macrovertebrate excavations. The dinosaur record identified comprises ornithopods, theropods and sauropods. Four distinct track-bearing horizons have been identified. The heterolithic nature and aggradation characteristic of the Mirambel Formation are favourable factors for track formation and preservation. The dinosaur tracks consist of convex hyporeliefs or concave epireliefs that record the trackmakers as they frequented lakeshores, alluvial floodplains and fluvial courses. Macrovertebrate bonebeds occur in alluvial settings (poorly-drained floodplains and “ponds”). Microvertebrate concentrations are located in shallow lacustrine deposits. Isolated skeletal elements can be found in a great variety of deposits. Attritional accumulation in a low-energy depositional context is the general pattern of origin for the bone-bearing fossil sites of the Mirambel Formation. As regards the genetic framework, the resulting skeletal assemblages are predominantly the result of physical factors, with sedimentology as a key factor, rather than biological phenomena. Eggshell fragments are frequent throughout the unit but are clearly more common in palustrine-lacustrine deposits. These can be taken to be parautochthonous bioclasts from nearby areas and might be indicative of the preferential affinity of the egg-layers for wetlands and lakeshores.


A referência completa do artigo é:
Gasca, J. M., Moreno-Azanza, M., Bádenas, B., Díaz-Martínez, I., Castanera, D. , Canudo, J. I., Aurell, M. 2017. Integrated overview of the vertebrate fossil record of the Ladruñán anticline (Spain): Evidence of a Barremian alluvial-lacustrine system in NE Iberia frequented by dinosaursPalaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology, Volume 472: 192-202 

XV Encontro de Jovens Investigadores em Paleontologia


O EJIP, Encontro de Jovens Investigadores em Paleontologia, é um congresso anual dirigido por jovens paleontólogos para jovens paleontólogos que visa a promoção da colaboração entre investigadores e instituições com o intuito de criar sinergias que desenvolvam todo o potencial da sua investigação.
Este ano, já na sua XV edição, o EJIP realizar-se-á em Pombal (Portugal), entre os dias 19 e 22 de Abril. 


O programa científico inclui duas das saídas de campo. Uma delas, dedicada ao Mesozóico da Bacia Lusitaniana, terá enfoque na diversidade dos invertebrados e vertebrados presentes nos ambientes marinhos e de transição do Jurássico Médio e dos ambientes continentais do Jurássico Superior, nos trilhos de dinossauros da Pedreira do Galinha e nas descobertas feitas na Jazida de Andrés (conhecida  pela descoberta do dinossauro terópode Allosaurus fragilis). A outra visita terá o principal foco no Ordovício da região de Buçaco e será direccionada para alterações na diversidade e composição das comunidades bentónicas desde o Ordovícico Superior até à grande extinção finiordovícica. 



Mais informações, programa e inscrições em:http://xvejip-pombal.blogspot.pt/p/que-es-ejip.html

VI Simpósio "Dinosaur Eggs and Babies" 2017

A sexta edição do Simpósio Dinosaur Eggs and Babies a decorrer de 3 a 8 de Outubro de 2017, terá lugar no Monte da Caparica, Portugal.

O simpósio sobre ovos e bebés de dinossauros é um dos mais importantes e prestigiados do mundo nos âmbitos da Paleoologia, a ciência dos ovos fósseis, e do desenvolvimento dos dinossauros e ontogenia. Com a primeira edição em 1999, sobre a alçada da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa em colaboração com Museu da Lourinhã, e realizado regularmente a cada três a quatro anos desde então, tem representado um impulso significativo nestes campos.


Para a edição deste ano, o principal tópico de discussão proposto é a formação das cascas de ovo.
O programa científico inclui ainda três sessões plenárias, cada uma delas direccionada para um dos temas nucleares: biomineralização de ovos e ossos, ovos de dinossauros e desenvolvimento de dinossauros.

Primeira circular (em inglês) disponível para consulta aqui.
Segunda circular (em inglês) disponível para consulta aqui.

Mais informações no site da FCT-UNL:

+(351) (212 948 573) ext 10205

Ou nas redes sociais:

Twitter: @VIDinoEggsBabi
Facebook: /VIDinoeggsandBabies/


quinta-feira, fevereiro 16, 2017

Pegadas de dinossauros e mamíferos em Angola


No artigo publicado na revista Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology são apresentadas pegadas de mamíferos, de crocodilomorfos e dinossauros saurópodes do Cretácico inferior de África. As pegadas provêem da mina de diamante da Catoca, na Lunda Sul, em Angola. Os trilhos de mamíferos têm uma morfologia única, atribuída a Catocapes angolanus ichnogen. et ichnosp. Nov. As pegadas com comprimento médio de 2,7 cm e largura de 3,2 cm são as maiores de mamíferos conhecidas do Cretácico Inferior, não existindo do mesmo tamanho no registro fóssil de ossos. As pistas de crocodilomorfos são atribuídas a Angolaichnus adamanticus ichnogen. et ichnosp. nov. Uma pista de dinossauro saurópode de tamanho médio preservou impressões de pele de um animal com uma passada de 1,6 m.



Este trabalho do Projecto PaleoAngola foi assinado por Octávio Mateus, Marco Marzola, Anne S. Schulp, Louis L. Jacobs, Michael J. Polcyn, Vladimir Pervov, António Olímpio Gonçalves, e Maria Luisa Morais.

Referência completa:

Mateus, O., Marzola, M., Schulp, A.S., Jacobs, L.L., Polcyn, M.J., Pervov, V., Gonçalves, A.O. and Morais, M.L., 2017. Angolan ichnosite in a diamond mine shows the presence of a large terrestrial mammaliamorph, a crocodylomorph, and sauropod dinosaurs in the Early Cretaceous of Africa. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology.

Journal of Paleontological Techniques tem novo site

A nossa revista científica Journal of Paleontological Techniques tem novo site como revista online de acesso livre no ScienceOpen.
Esta revista de revisão pelos pares do GEAL - Museu da Lourinhã tem como editor principal Emanuel Tschopp e visa abordar métodos e técnicas em Paleontologia.

https://www.scienceopen.com/search#collection/27432d4b-0e8d-4b43-9caa-fec681ae47ed


I Congresso sobre Planalto das Cesaredas

Decorrerá este ano, entre 31 de Março e 2 de Abril, na Lourinhã (Portugal) o I Congresso sobre o Planalto das Cesaredas.

De organização conjunta entre a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e a Associação dos Amigos do Planalto das Cesaredas, o congresso visa promover o conhecimento científico, nas suas diversas vertentes - Geologia, Geomorfologia, Arqueologia, Espeleologia, Fauna, Flora, Património e Cultura - desta região que abrange os municípios da Lourinhã, Peniche, Bombarral e Óbidos.


Mais informações em:

http://www.dct.fct.unl.pt/congresso-cesaredas
http://www.aaplanaltocesaredas.pt/

Knoetschkesuchus guimarotae é o novo nome do pequeno crocodilomorfo de Portugal

Knoetschkesuchus langenbergensis (Foto: OM)
Da jazida de Oker, Langenberg, na Baixa Saxonia, a norte da Alemanha, foi descrito o pequeno, mas adulto, crocodilomorfo Knoetschkesuchus langenbergensis Schwarz et al 2017 muito próximo do Theriosuchus.

Este atoposaurídeo do Jurássico Superior vem da mesma jazida do saurópode Europasaurus holgeri.

Em Portugal era conhecido o Theriosuchus guimarotae, que agora se verifica ser muito próximo de Klangenbergensis pelo que o trabalho de Daniela Schwarz e colegas permite fazer uma nova combinação taxonómica: Knoetschkesuchus guimarotae para o material português.


Nils Knötschke (foto:OM)


O nome é dedicado a Nils Knötschke do DinoPark de Münchehagen.


Schwarz D, Raddatz M, Wings O (2017) Knoetschkesuchus langenbergensis gen. nov. sp. nov., a new atoposaurid crocodyliform from the Upper Jurassic Langenberg Quarry (Lower Saxony, northwestern Germany), and its relationships to Theriosuchus. PLoS ONE 12(2): e0160617. doi:10.1371/journal.pone.0160617

Comparação entre Knoetschkesuchus langenbergensis da Alemanha K.guimarotae de Portugal (Schwarz et al 2017)

Novo dinossauro encontrado com conteúdo estomacal preservado

Miguel Moreno-Azanza, investigador da FCT – Universidade Nova de Lisboa e colaborador do Museu da Lourinhã, integra uma equipa multi-disciplinar de investigadores de Saragoça (Espanha) e Portugal, que descreve agora um novo dinossauro encontrado com conteúdo estomacal preservado

O estudo hoje publicado na revista Scientific Reports descreve o novo dinossauro ornitísquio, Isaberrysaura mollensis gen. et sp. nov., no Jurássico de Neuquén, na Argentina. A pesquisa multidisciplinar, liderada pelo Professor Leonardo Salgado, foi realizada por paleontólogos da Universidade de Río Negro-Conicet, Universidade da Prata, Museu Olsacher de Zapala e Museu de Huincul (Argentina) e da Universidade de Saragoça (Espanha), contando com a colaboração de Miguel Moreno-Azanza, pós-doutorado no Departamento de Ciências da Terra da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, bolseiro da Fundação para a Ciência e Tecnologia e membro no grupo de investigação GeoBioTec (FTC-UNL).

O espécime agora descrito traz importantes implicações para a evolução e paleobiologia deste grupo de dinossauros herbívoros, os ornitísquios. Em primeiro lugar, foi recuperado num ambiente marinho inesperado, apesar de ser um animal claramente terrestre, o que revela que a carcaça foi transportada da costa para ambientes marinhos profundos, onde foi encontrada juntamente com restos de répteis marinhos. Em segundo lugar, apresenta centenas de sementes mineralizadas, na área onde as entranhas estão localizadas, de pelo menos duas espécies diferentes de plantas, incluindo Cycadales. Isto evidencia que Cycas era um importante elemento da dieta destes dinossauros desde o início da evolução deste grupo e suporta estudos prévios de coevolução entre plantas e dinossauros herbívoros.
Finalmente, a posição filogenética de Isaberrysaura fornece evidências de que a linhagem que dá origem ao bem sucedido grupo de dinossauros herbívoros, os ornitópodes, ocupava já terrenos da Gonduana desde o Jurássico Inferior, redesenhando a evolução e dispersão deste grupo.

O nome atribuído, Isaberrysaura, é em homenagem a Isabel Valdibia, paleontóloga amadora argentina que encontrou os primeiros restos desses dinossauros e os doou ao Museu Olsacher de Zapala (Argentina), onde podem ser visitados a partir de hoje.


Isaberrysaura mollensis


Salgado, L., Canudo, J.I., Garrido, A.M., Moreno-Azanza, M., Martínez, L.C.A., Coria, R.M., Gasca J.M. 2017. A new primitive Neornithischian dinosaur from the Jurassic of Patagonia with gut contents. Scientific Reports,

Sobre a velocidade das ovelhas do Neolítico e o rinoceronte na corte Portuguesa


Dois trabalhos recentemente publicados sobre mamíferos chamaram-nos a atenção e têm a haver com Portugal:


As ovelhas (Ovis) chegaram a Portugal no milénio VI a.c., pois os vestígios descobertos em Lameiras, Sintra, foram datados de 5450 a.c. (Neolítico). Este artigo intitulado "A Velocidade de Ovis[...]" assinado por Simon Davis e Teresa Simões não aborda a velocidade de corrida das ovelhas mas a sua velocidade de dispersão (1.6 km por ano), vindas da Ásia até Portugal. O artigo também ajuda a distinguir ossos de cabra e ovelha.


Davis, S. and Simões, T., 2016. The velocity of Ovis in prehistoric times: the sheep bones from early Neolithic Lameiras, Sintra, Portugal. O Neolítico em Portugal antes do Horizonte 2020: Perspectivas em debate2, pp.51-66. 
http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/25678/1/2016-Sheep-Velocity-Monografia2_AAP.pdf



Famosa ilustração do rinoceronte oferecido ao Papa por Portugal, ilustrado por A.Dürer


Juan Pimentel publicou o livro The Rhinoceros and the Megatherium que relata o famoso caso, de 1515, quando um rinoceronte indiano foi oferecido pelo rei de Portugal, Manuel I, como presente ao Papa Leão X. O rinoceronte morreu quando o barco em que era transportado naufragou, próximo a costa da Itália, a princípios de 1516.

Pimentel, Juan. The Rhinoceros and the Megatherium. Harvard University Press, 2017.

terça-feira, fevereiro 14, 2017

Três novos artigos da paleontologia portuguesa


As plantas fósseis de São Jorge, na Madeira foram alvo de um artigo científico:

Carlos A. Góis-Marques, José Madeira, and Miguel Menezes de Sequeira 2017. Inventory and review of the Mio–Pleistocene São Jorge flora (Madeira Island, Portugal): palaeoecological and biogeographical implications. Journal Of Systematic Palaeontology

Plantas fósseis de São Jorge, Madeira (Marques et al 2017)

Reporta-se um novo foraminífero,  Farinacciella ramalhoi n. gen., n. sp., dedicado a Prof. Miguel Ramalho, director do Museu Geológico, em Lisboa.

A Cherchi, R Radoičić, R Schroeder 2016. Farinacciella ramalhoi, n. gen., n. sp., a larger foraminifer from the Kimmeridgian–lower Tithonian of the Neo-Tethyan realm. Journal of Mediterranean Earth Sciences, 2016. (http://jmes.it/index.php/jmes/article/view/84)

Farinacciella ramalhoi (Cherchi et al 2016)
Miguel Ramalho (Foto:OM)


O terceiro artigo é sobre algas jurássicas:

Granier BRC, Azerêdo AC, Ramalho MM. 2017. Taxonomic revision of Cylindroporella ? lusitanica Ramalho, 1970: In search for the origins of the Family Dasycladaceae. Island Arc. 2017;e12176. https://doi.org/10.1111/iar.12176.


Barattoloporellopsis lusitanica(after Granier et al 2001) 

sexta-feira, fevereiro 03, 2017

Bolsas FCT em Ciências da Terra (concurso de 2016)

Foram anunciados esta semana (31 de Janeiro 2017) os resultados do concurso da FCT (Fundação para a Ciência e Tecnologia) para Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento.
Este ano foram atribuídas 1200 bolsas, sendo 22 para o painel de Ciências da Terra: 11 de doutoramento e 11 de pós-doutoramento, o que corresponde a quase 2% das bolsas.

Houve 49 candidaturas a doutoramento e 86 a pós-doutoramento, mas muitas não são validadas Nas BPD foram validadas 56 candidaturas o que representa 19.6% das candidaturas validadas.

Bolsas de doutoramento por ano (antes da audiência prévia): 
2012: 16
2013: 5
2014: 9
2015: 8
2016: 11

Isto mostra uma política diferente com uma subida significativa no número de bolsas de Ciências da Terra. 
As bolsas pós-doutoramento foram para as seguintes instituições: 2 Univ. Lisboa, 2 Univ. Porto, Univ. Beira Interior, CERNAS, CEAM - Aveiro, IH, Cima - Algarve, FCT-Universidade Nova de Lisboa, e as de doutoramento para UL, 2 UC, 2 UP + UAv, Royal Holloway University of London
FCT-UNL, UAl e UAv.

Dois dias depois (2.2.2017) foi anunciado novo concurso para 900 bolsas de doutoramento.

terça-feira, dezembro 20, 2016

Plesiossauros do Jurássico inferior na Gronelândia

Em 2012 e 2016 recolhemos duas vértebras dorsais e uma costela dorsal do Jurássico inferior numa crista montanhosa na Formação Kap Stewart no Fjord de Carlsberg, na Jameson Land, no leste da Gronelândia, durante a Geocenter Møns Klint Dinosaur Expedition. Os ossos mostram afinidades claras aos plesiossauro: centra anficéficos, com um par de forames nutritivos ventrais, suturas neurocentrais não-fundidas e costelas sem tuberculum. O diâmetro do centra é de 2 cm indicando um indivíduo de pequeno porte. Os plesiossauros são animais essencialmente marinhos e este achado representa os primeiros vertebrados indubitavelmente marinhos nos depósitos mesozóicos da Groenlândia e testemunha os primeiros estágios da abertura do Atlântico Norte ao 44.º de paleolatitude.

Os ossos estão agora em estudo no Museu da Lourinhã e Faculdade de Ciências e Tecnologia da UNL. Este trabalho foi recentemente apresentado por Jesper Milàn na 60th Annual Meeting Palaeontological Association em Lyon, França.

Poster apresentado em congresso sobre plesiossauro da Gronelândia

Milàn, J., Mateus O., Marzola M., & Clemmensen L. B. (2016).  Plesiosaur remains from the Lower Jurassic part of the Kap Steward Formation, Jameson Land, East Greenland – evidence of the earliest marine incursion. 60th Annual Meeting Palaeontological Association. 91-92., Lyon, France: Palaeontological Association