sábado, fevereiro 06, 2010

Entrevista Moçambique

- Podia contar, com pormenor, quando e como encontrou o crânio? O que viu naqueles instantes? O que pensou? Com quem estava? Quando foi?
Eu acho que não só o momento da descoberta mas também tudo o que aconteceu antes da descoberta foi memorável. Eu e o meu colega Rui tinhamos decidido uns meses antes cometermos a loucura de partir para Moçambique para descobrir o primeiro dinossauro do país.
Estávamos ambos prestes a iniciar uma nova etapa da nossa vida... por um lado o Rui ia comecar o doutoramento e eu o mestrado aqui nos Estados Unidos. O nosso colega e amigo Octávio Mateus tinha estado em Maputo uns anos antes e ja conhecia alguns dos principais geólogos do
país, esses contactos serviram posteriormente para facilitar todo o processo.

Existe apenas um local em Mocambique até agora com fósseis de vertebrados com mais de 65milhoes de anos: esse local é naquilo a que os geólogos chamam o graben de Metangula, mesmo ao lado do Lago Niassa. Passados todos os embroglios burocraticos quer em Maputo quer em Lichinga, o povo Mocambicano abriu-nos os bracos. Graças a Anastácio Tamele (Director do Gabinete de Estudos Estratégicos e Desenvilvimento do Niassa) toda a logistica da expedicao foi facilitada: foi-nos cedido um veiculo e um motorista exemplar (Angelo Madrugas).

O meu colega Rui teve entretanto de partir para Portugal e tive de ficar sozinho com o motorista e o nosso guia local (Sr. Luis Macuango). Tinha uma semana pela frente e os resultados ate `a data nao eram nada animadores... nao tinhamos descoberto mais do que alguns troncos fossilizados. Os dias foram passando um atras de outro e a minha furstracao ia-se tornando mais palpavel com o passar dos dias. Tinha que por um lado de motivar a equipa, assegurando-lhes que nao estava à procura de algo que nao existia; e por outro garantir o mínimo sucesso da expediçao... nem que fosse um fragmento de osso convincente... Praticamente no ultimo dia, depois de quase toda a região batida a pe e depois de esgotadas todas as desculpas possíveis
de que aquilo nao era loucura nenhuma, encontro finalmente no chão uma série de concreçoes calcárias, daquelas que sabia que havia fósseis.... e lá estava ele... um cranio completo de um ancestral comum a todos os mamíferos! Curiosamente olhei primeiro para uma característica peculiar do cranio sem me aperceber que tinha um esqueleto praticamente completo nas maos! Na noite anterior à volta da fogueira, em jeito de desespero, tinha pedido ao velho Luís
Macuango para que nos desejasse boa sorte, ele disse simplesmente disse as palavras mais enigmáticas e misteriosas da minha vida: "Amanhã, vamos andar bem".


- Como é o sítio onde estava o fóssil? É perto do lago Niassa?
O local onde me encontrava ficava a uns bons quilómetros do Lago Niassa, junto de um curso de agua seco que reune aguas durante a estacao das chuvas. Os afloramentos de rochas antigas em Africa sao raros porque a vegetacao e o capim alto cobre a maioria da rocha. É um vale lindíssimo sempre espreitado pelo Monte Chissindo, povoado por pessoas muito afaveis e hospitaleiras, preocupadas - entre outras coisas - com o sucesso do seu proprio cultivo nao poucas as vezes assaltados por babuínos... era rara a jornada em que durante a noite
não se ouviam os canticos dos rituais de iniciacao ou outros eventos tradicionais.

- Depois, estava lá o animal quase todo, não era?
Depois de recolhida a concrecao calcaria onde estava a preparadora da minha universidade (Deborah Nixon) desvendou cuidadosamente o resto do esqueleto encarcerado na rocha ha mais de 250 milhoes de anos.

- É uma espécie nova?

Ainda nao sabemos se sera uma espécie nova, sera certamente um espécime importante. Isto porque nestas camadas é geralmente raro encontrar o cranio e o resto do esqueleto associado. So completando o resto da preparacao do fóssil é que o estudo podera iniciar.

- É um fóssil que mistura características de réptil e fóssil? Exemplos dessas características?
Os ancestrais comuns dos repteis (chamados sinapsídeos) possuem caracteristicas reptilianas como os mais do que um osso na mandibula (nos humanos e todos os outros mamiferos so temos um osso na mandíbula) e a postura dos membros nao esta totalmente por baixo do tronco. Caracteristicas mamalianas incluem, por exemplo, o facto de terem costelas so ate meio do dorso e dentes mais ou menos diferenciados, isto é, estes organismos tinham “proto-incisivos”,
“proto-caninos”, e “proto-molares”; outra caracteristica importante é o modo de mastigação mais sofisticado que os seus ancestrais reptilianos mas não tão preciso como os mamíferos.

- O que tem este fóssil de especial?
Tudo o que é intrinseco a este fóssil ainda carece de uma analise aprofundada. Até agora o que acho mais importante é que foi descoberto o cranio em conjunto com o resto do esqueleto, e isto
permite identificar elementos esqueleticos isolados como vertebras com maior precisão. Além disso o especime é de tamanho diminuto - cabe na palma da minha mão - o que podera indicar que ou era uma especie muito pequena ou que era um jovem sinapsídeo passeando pelo Niassa ha 250 milhoes de anos atrás.


(Entrevista de Teresa Firmino)

1 comentário:

ana_ave disse...

Parabéns Ricardo

Saudações dinogeológicas

Ana Rola