domingo, março 29, 2009

"O ateísmo é o flagelo do género humano"

Decorreu, de forma muito interessante, o debate “ Darwin: o impacto da herança de Darwin na Ciência e na Sociedade, o papel e o lugar do Homem na Natureza, as relações entre Ciência, Ética e Religião” que teve lugar na Sertã no passado dia 26 de Março de 2009. O balanço foi muito positivo e saúdo a organização (Instituto Vaz Serra).

Teve como participantes/oradores o Professor Daniel Serrão, o Professor Paulo Gama da Mota, Padre Manuel da Costa Freitas e eu próprio (Octávio Mateus).

As intervenções foram muito interessantes, mas houve uma que me chamou a atenção pela falta de sintonia com as restantes.

O Padre Manuel da Costa Freitas,  membro da Ordem Franciscana, docente da Universidade Católica Portuguesa e o coordenador da edição portuguesa da “Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé” (Ed. Verbo) proferiu frases que eu não podia discordar mais.

Entre elas: “O ateísmo é irracional, prejudicial ao homem, prejudicial à sociedade, o flagelo do género humano”, “faz das pessoas animais ferozes”, até “canibais” e ainda “Duvidar é uma demência”. 

Apesar destas provocações carregadas de ódio pelos ateus, ninguém no debate (excepto eu) pediu explicações. Isto mostra a postura da nossa sociedade relativamente ao meio clerical em que podemos criticar todos excepto os clérigos.

Todos criticariam se fosse um político a dizer isto da oposição, um cientista a dizer de um colega, ou qualquer outra pessoa que proferisse tais palavras. Mas não se critica por ser um padre a tratar de religião. Porquê? Ninguém está acima da crítica, seja ele cientista, político, ou claro, clérigo. Mostra quão real é o cartoon que foi motivo de post no dia anterior.

No debate comentou ainda que Voltaire (1694 –1778) criticava Charles Darwin (1809—1882) e que havia estudos científicos que punham em causa a evolução darwiniana.

Acabei por fazer-lhe 4 perguntas: 1) Como é que Voltaire tinha criticado Darwin se viveu um século antes?; 2) Que enunciasse um estudo científico que  punha em causa a evolução darwiniana; 3) que justificasse a frase “duvidar é uma demência”; e 4) que enunciasse as provas de existência de deus (referidas na entrevista no Jornal Voz da Verdade). A sua resposta cingiu-se a um mero “É preciso termos mais tolerância”. Ainda bem que é o coordenador da edição portuguesa da “Enciclopédia Interdisciplinar de Ciência e Fé” ...

2 comentários:

Ricardo Araújo disse...

É... é isso mesmo... os ateus são uma forma mutante dos seres humanos. A castração química ou trabalhos forçados nas galés podia ser uma solução! O que acham? Eu iria, por exemplo, com todo o agrado passar umas férias na Sibéria. Sinceramente não sei quem será mais demente...

Paulo J disse...

Boa tarde!

Gostei bastante do blog.

Se estiverem interessados em parceria ou troca de links aqui fica o meu blog:
http://designinteligente.blogspot.com/

aguardo contacto

abços