sexta-feira, janeiro 02, 2009

Não há omeletas sem ovos…


Perguntam e com razão: porque quererá alguém dedicar-se ao estudo de ovos de dinossauro? Com cancros cuja cura permanece por desvendar e vacinas por desenvolver, por que iria alguém dedicar parte do seu precioso tempo a cascas de ovo com 150 milhões de anos?
Talvez o estudo da morfologia (ou melhor dizendo, da histostrutura) das cascas de ovo não indiciem por si só a cura para o cancro ou o desenvolvimento de carros mais ecológicos, mas vale por se acrescentar um pouco mais ao saber da Natureza. E isso é sempre meritório. Talvez se achasse irrelevante financiar estudos sobre as rotas de migração das aves, até ao dia em que se descobriu que isso teria qualquer coisa que ver com os padrões de distribuição de casos da gripe das aves. Mas não pretendo aqui justificar a pertinência deste estudo (isso já foi motivo de avaliação pelo júri da Jurassic Foundation).
Se olharmos com atenção para a casca de um ovo antes de fazermos a omeleta, reparamos que a sua superfície não é inteiramente lisa, tem pequenas rugosidades ou
perfurações, que são… poros! Aquando o seu desenvolvimento, o pinto precisa de estabelecer trocas gasosas com o exterior, vendo-se livre dos gases tóxicos (como o dióxido de carbono) e absorvendo oxigénio. Também as cascas de ovo de dinossauros, por exemplo, de há 150 milhões de anos tinham esses poros. Também os dinossauros ainda embriões precisavam de respirar. Na Lourinhã temos a sorte de não só termos uma
diversidade absolutamente inquietante de cascas de ovo em vários locais, como também a existência de embriões. Especialmente os embriões, pela sua raridade, são uma
janela para a compreensão da evolução dos dinossauros. As características anatómicas dos seus restos fossilizados permitem calibrar/polarizar os caracteres morfológicos
que servem de base à compreensão da evolução. Por isso, qualquer vestígio de embrião – em conjugação com material ontogenético mais avançado (ou seja, material
fossilífero de indivíduos mais velhos) – é tão importante e merece a nossa atenção.

Legenda foto: Secção transversal de uma casca de ovo, resultado de investigação em curso.
Foto por: João Pais, Ricardo Araújo e Rui Castanhinha(C)

Este artigo foi publicado concomitantemente no Boletim do Museu da Lourinhã nº11.

2 comentários:

nmhdias disse...

gostei do blog

Joao disse...

Se existe e é real é importante conhecer.