Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, novembro 24, 2016

Apelo à manutenção dos espécimes-tipo


Colecções museológicas de paleontologia.
Exemplo de Brigham Young University, Provo, EUA. Foto por OMateus.
Um conjunto de 500 cientistas / taxonomistas fazem um apelo a favor do procedimento taxonómico na manutenção de espécimes-tipo, num artigo que agora é apresentado na Zootaxa. O artigo é liderado pelo Português Luís Ceríaco (Villanova University), e por Eliéger Gutiérrez (Universidade de Brasília), e Alain Dubois (Museu de História Natural de França), e com muitos outros investigadores, dos quais participamos.

Quando se descreve uma nova espécie, ela é baseada num exemplar de referência, o espécime-tipo, ou holótipo. A questão de saber se as descrições taxonómicas que designam novas espécies animais sem espécime-tipo depositado em colecções devem ser aceitas para publicação em revistas científicas e permitidas pelo Código têm sido discutidas e postas em causa. Esta questão foi novamente levantada numa carta apoiada por 35 signatários publicada na revista Nature (Pape et al., 2016) em 15 de Setembro de 2016. Em 25 de Setembro de 2016, a seguinte refutação (estritamente limitada a 300 palavras de acordo com as regras editoriais da Nature ) Foi entregue à Nature, que em 18 de outubro de 2016 se recusou a publicá-la. Como pensamos que este problema é muito importante para a taxonomia zoológica, este texto é publicado aqui exactamente como submetido à Nature, seguido pela lista dos 493 taxonomistas e pesquisadores que estudam coleções, e que assinaram no curto espaço de tempo de 20 de setembro a 6 de outubro de 2016.

Correspondência
Em defesa de uma descrição de espécies sem espécimes preservados, alguns colegas deram recentemente argumentos que poderiam levar ao uso generalizado da taxonomia baseada em fotografia (TBF) (Pape et al., 2016). Nós 493 pesquisadores baseados na colecções refutamos esses argumentos.
O objetivo principal do Artigo 73.1.4 do Código - que tolera a nomeação de espécies descritas com base em ilustrações - é permitir a disponibilidade nomenclatural de nomes de espécies estabelecidos sem espécimes de referência antes da maturidade da taxonomia. No entanto, as descrições modernas não devem ser feitas sem provas materiais através de pelo menos um espécime de tipo "museu", que preserva muitos caracteres que não podem ser vistos em fotografias e permitir objetividade, reprodutibilidade e refutabilidade.
A delimitação de espécies é uma questão de taxonomia, não de nomenclatura, mas o trabalho taxonómico exige que esse espécime estabeleça uma ligação objetiva entre um nome e uma população natural, sem a qual a alocação do nome permanece incerta.
As espécies alegadas conhecidas apenas de fotografias podem ser referidas por nomes não científicos até que a recolha de um espécime permita descrições taxonómicas aceitáveis.
A revisão por pares, que não é exigida pelo Código, pode de facto ser útil para trabalhos taxonómicos, se realizada por árbitros competentes, mas tem-se mostrado repetidamente insuficiente para evitar descrições erróneas. O TBF promoverá a divulgação rápida de descrições mal revistas com base em "provas" não verificáveis.
O TBF é prejudicial para os campos da biologia que dependem da taxonomia: impedindo a aprovação de permissões para recolher- um grande incómodo para a taxonomia; Prejudicando a credibilidade e obstruindo os avanços na taxonomia, como pessoas sem treino / sem escrúpulos podem facilmente inundar "catálogos" de vida com táxones duvidosos; Aumentando a instabilidade e a imprecisão, uma vez que o escrutínio é dificultado pela falta de espécimes.
O Código deve ser reformado para evitar que artigos concebidos para lidar com contribuições desde as primeiras idades da taxonomia sejam usados ​​para justificar práticas desactualizadas que possam prejudicar a conservação da ciência e da biodiversidade.






Ceríaco et al.. 2016. Photography-based taxonomy is inadequate, unnecessary, and potentially harmful for biological sciences. Zootaxa. 4196, No 3 http://www.mapress.com/j/zt/article/view/zootaxa.4196.3.9/9439  PDF

Sem comentários: