quinta-feira, fevereiro 18, 2010

O fóssil mais antigo de uma tartaruga marinha de África é de Angola

Notícia do Jornal Público de Ontem:


O fóssil mais antigo de uma tartaruga marinha de África é de Angola

17.02.2010 - 10:17 Por Teresa Firmino

Aquele 25 de Maio foi em cheio para Octávio Mateus. Era o Dia de África, feriado em Angola, e com tudo fechado em Luanda o paleontólogo português não podia resolver as burocracias da expedição que estava a terminar. Por que não aproveitar o tempo livre para uma última prospecção de fósseis, antes do regresso a Portugal? Meteu-se no carro, disposto a viajar cinco horas até às arribas de uma praia a norte da capital angolana e a calcorrear o terreno durante três horas apenas. Olhos posto no chão, nessa caminhada iria recuar até ao tempo dos dinossauros.
Octávio Mateus com o fóssil no dia da descobertaOctávio Mateus com o fóssil no dia da descoberta (Octávio Mateus)

Percorria a arriba não muito alta, de um amarelo forte, praia de um lado, estepe a puxar para a savana com embondeiros e eufórbias do outro. Encontrava-se na zona do Ambriz, na província de Bengo.

A certa altura, qualquer coisa lhe chamou a atenção pela cor e pela forma. "Percebi logo que era o crânio de uma tartaruga. Fiquei radiante", recorda ao P2 Octávio Mateus, com 35 anos, do Museu da Lourinhã e da Universidade Nova de Lisboa.

Sabia que o fóssil tinha cerca de 90 milhões de anos, pois essa é a idade dos sedimentos marinhos onde os ossos ficaram preservados. Era portanto uma tartaruga marinha contemporânea dos dinossauros, que desapareceram há 65 milhões de anos (excepto a linhagem que deu origem às aves), provavelmente devido a um cataclismo planetário provocado pela colisão de um meteorito.

Estava sozinho na arriba. O outro elemento desta expedição em 2005, o norte-americano Louis Jacobs, da Universidade Metodista do Sul, no Texas, já tinha regressado ao seu país. E não tinha um dos materiais essenciais numa escavação paleontológica - uma cola especial utilizada na consolidação dos fósseis, que evita a destruição dos fragmentos. Mesmo assim, avançou, deitando mão aos materiais que pôde: "A solução improvisada foi embrulhar o crânio, quase completo, em película de cozinha".

No regresso a Luanda, mostrou o resultado das suas andanças a colegas da Universidade Agostinho Neto, com quem foi estabelecer contactos para futuras expedições, e tratou das autorizações necessárias para retirar do país os ossos da tartaruga. Havia que os submeter a uma série de estudos em Portugal e nos Estados Unidos. "Vieram comigo, numa mala de mão."

Nem era preciso uma grande bagagem, uma vez que o crânio tem 20 centímetros de comprimento. Quanto ao animal completo, é difícil extrapolar o tamanho só a partir do crânio. "Na verdade, não sabemos. Mas não devia ter menos de um metro."

Passaram-se mais de quatro anos desde aquele dia na arriba angolana, o tempo que demorou a limpar os ossos, a extrair deles informações do passado longínquo e a publicá-las num artigo científico. Essa leitura das pistas encontradas nos ossos está na última edição da revista científica Acta Palaeontologica Polonica, num artigo de Mateus, Jacobs e outros paleontólogos de Portugal, Estados Unidos, Angola e Holanda.

Nascia o Atlântico Sul

Resultado dos estudos: a tartaruga de Angola pertence a um género e uma espécie novos para a ciência (chamaram-lhe Angolachelys mbaxi). Ao olhar para as relações de parentesco do novo fóssil, os investigadores também perceberam que fazia parte de um grupo distinto de tartarugas marinhas (chamaram-lhe Angolachelonia).

Neste grupo, a equipa inclui três outros elementos já conhecidos da comunidade científica, que podem considerar-se a partir de agora os primos mais próximos da tartaruga de Angola: a Sandownia harrisi (110 milhões de anos, de Inglaterra); a Glen Rose (nome da localidade no Texas onde foi descoberto o fóssil, com 120 milhões de anos); e a Solnhofia parsonsi (150 milhões de anos, da Alemanha). "Até este estudo, não eram reconhecidas como um grupo único, com uma origem comum", sublinha Octávio Mateus.

Todas habitavam o hemisfério Norte, com excepção da tartaruga de Angola. O facto de ela ser o primeiro elemento deste grupo descoberto no hemisfério Sul permite desvendar um pouco mais da história evolutiva das tartarugas marinhas e da sua relação com a geografia dos continentes naqueles tempos.

O Atlântico começava a nascer há 210 milhões de anos, entre o Norte de África e a parte ocidental da Península Ibérica. Há cerca de 160 milhões de anos estava em curso a abertura do Atlântico Norte e foi nessa altura que apareceram as tartarugas marinhas.

No entanto, o Atlântico Sul iniciou a sua formação mais tarde - há 110 milhões de anos, à medida que América do Sul e África se afastavam uma da outra, o que veio a permitir as migrações de animais. "As tartarugas começaram a poder atravessar o Atlântico de norte para sul. O mar que se abre é uma barreira para os animais terrestres, mas é um corredor para os animais marinhos", diz Octávio Mateus.

Com os seus 90 milhões de anos, a tartaruga de Angola deve ser descendente desses primeiros répteis marinhos a cruzarem o Atlântico de norte para sul, contribuindo para a compreensão das migrações da fauna marinha. "Muito provavelmente, nasceu e viveu em África, porque há ainda um intervalo de tempo grande entre ela e as outras tartarugas mais antigas."

Tanto quanto Octávio Mateus sabe, este é o fóssil mais antigo de uma tartaruga descoberto em África. Para Miguel Telles Antunes, também autor do artigo científico, o achado é muito interessante: "Quer pela qualidade do material encontrado, quer por se tratar de um animal muito mal conhecido na região", diz este paleontólogo da Academia de Ciências de Lisboa, citado num comunicado.

Uma pata de fora

Nas duas semanas anteriores à descoberta da tartaruga, Octávio Mateus e Louis Jacobs tinham seguido as pegadas deixadas há mais de 40 anos por Telles Antunes. Na década de 60, este paleontólogo esteve em Angola a identificar locais com fósseis de vertebrados para a sua tese de doutoramento, na qual veio a descrever uma nova espécie de réptil marinho. Era um mosassauro, um grande predador marinho contemporâneo dos dinossauros (a que Telles Antunes deu o nome de Angolasaurus bocagei).

A guerra interrompeu este tipo de trabalhos, além de os geólogos angolanos centrarem as atenções nos diamantes e no petróleo. Mas Octávio Mateus sempre se interessou por África, tal como Louis Jacobs, que é autor do livro Em Busca dos Dinossauros Africanos, de 1993. Encontraram-se num congresso e a ideia de procurar fósseis em Angola surgiu naturalmente.

Em 2005, cerca de três anos depois do fim da guerra em Angola, lá estavam eles. Nessa expedição, a primeira de várias, Mateus e Jacobs revisitaram os sítios estudados por Telles Antunes na província do Namibe e nas arribas do Ambriz.

Do passeio solitário de Octávio Mateus já tinha saído outra surpresa. Cerca de uma hora antes da tartaruga, Octávio Mateus cruzou-se com os ossos da pata dianteira de um saurópode, aquele grupo de dinossauros herbívoros quadrúpedes com os pescoços compridos. Era o primeiro dinossauro de Angola, igualmente com 90 milhões de anos, uma descoberta logo anunciada. "Fomos muito afortunados."

Não estava sequer nos planos da equipa encontrá-lo, uma vez que os terrenos que tinham palmilhado eram formados em ambientes marinhos, onde é raro haver esqueletos de dinossauro. Só que, embora os dinossauros tenham sido animais terrestres, também se encontram fósseis seus em ambientes marinhos. Parte dos esqueletos pode ter sido arrastada por um rio ou uma corrente de água e ter acabado depositada em sedimentos marinhos.

Octávio Mateus teve de deixar lá o braço do saurópode. "Não é coisa para pôr no bolso e levar para casa." Só nas expedições seguintes, em conjunto com paleontólogos norte-americanos e holandeses, acabaram a escavação e levaram uma parte dos ossos para o Museu Geológico da Universidade Agostinho Neto e outra para o Museu da Lourinhã. Quanto ao crânio da tartaruga, foi até aos Estados Unidos, com Louis Jacobs. Vão fazer-lhe uma tomografia axial computorizada (TAC), para ver os canais nos ossos associados aos ouvidos e ao cérebro, importantes na classificação do animal. Tudo regressará ao país de origem. "Faz parte do património angolano."

Desvendemos agora o nome da tartaruga. Angolachelys quer dizer "tartaruga de Angola", em grego clássico. E mbaxi, em kimbundo, língua do Norte de Angola, significa "tartaruga". "Queríamos também dar-lhe um nome local, para ter um cariz africano", explica Octávio Mateus. Traduzindo, esta foi a história da tartaruga-de-Angola-tartaruga.

1 comentário:

MauFeitio disse...

Bora lá descobrir mais umas coisas giras!