quarta-feira, janeiro 10, 2007

Criacionismo versus Evolução

Fé versus Razão? Religião versus Ciência?

Acordámos, de repente, para um problema que é bem maior do que pensávamos: o criacionismo está entre nós e parece estar a ganhar força.

Mas o que significa isto? É uma luta entre ignorância e Razão? Religião e Ciência?
A diferença entre estas duas vertentes é enorme: a Ciência baseia-se em evidências lógicas, sem certezas categóricas; a Fé e a Religião baseiam-se em certezas categóricas sem evidências lógicas.

A Ciência reconhece-se como um processo construtivo em que não existem verdades dogmáticas pré-definidas, sejam elas a Evolução ou outra qualquer vertente científica: existem deduções com base em evidências lógicas. Se novos dados mostrarem que as teorias estavam erradas, então a Ciência adapta-se porque o objectivo final é compreender a realidade. Doa a quem doer.
A Religião tem como base a fé axiomática, gozando ainda de um respeito absoluto e de um estatuto alegadamente inquestionável e intocável, enquanto ser ateu (ou seja, usar apenas a Razão) é muitas vezes visto como algo menor, indigno e sinal de uma pessoa com falta de ética e moralidade.

Sobre este assunto, sugiro a leitura dos excelentes livros de Richard Dawkins, nomeadamente o novo livro “God Delusion” (que ainda não chegou a Portugal).


O criacionismo em Portugal

O novo instituto dedicado ao criacionismo bíblico e contra a evolução das espécies (www.dinoasis.com) é um relevante revés para a Razão, Ciência e Evolucionismo em Portugal e na Europa.

Mas há ainda um livro, escrito por um português, cheio de visões distorcidas sobre evolução e favorável ao criacionismo: “Questionar e Evolução” por Américo J. Marcelino, um Juiz Desembargador do Tribunal de Relação de Lisboa (Roma ed., 2003; 172 pp.).
Tem frases arrepiantes como: “o problema da vida é, fundamentalmente, um problema religioso, ou, se se preferir, um problema filosófico. A ciência não está em condições de adiantar rigorosamente nada sobre o essencial da sua problemática (p.42)”. Na verdade, todo o livro é um homenagem à ignorância relativa à Ciência e evolução. O preâmbulo é escrito pelo político Marcelo Rebelo de Sousa!


Qual o nosso papel?
Qual deve ser o nosso papel como cientistas? Ignorar e fazer o nosso trabalho cada vez melhor? Ou temos a responsabilidade de esclarecer o público e evitar que uma falsa ciência seja tida como Ciência? Edmund Burke dizia que "The only thing necessary for the triumph of evil is for good men to do nothing".

Pessoalmente, eu tenho a política do “live and let live”, em que cada um é livre de acreditar na religião que quiser e em todas as outras crenças sobrenaturais que desejar. Mas sinto obrigação de intervir no momento em que a escola pública comece a ensinar criacionismo.

Nós, paleontólogos, geólogos e biólogos temos o dever de ensinar a evolução. Eu percebo agora que não basta fazer bem o nosso trabalho como cientistas, é preciso dedicar parte desse tempo a ensinar a evitar os erros e omissões das hipóteses criacionistas: nos museus, nas escolas, nas universidades e nos jornais locais. Temos de ensinar a argumentar e, sobretudo, a pensarem através da razão e da evidência lógica.

O criacionismo nas escolas públicas portuguesas
O artigo do Público era claro ao dizer que os criacionistas querem que se ensine o criacionismo nas escolas! Gostaria de pensar que estamos longe dessa realidade…

O ensino do criacionismo nas escolas públicas portuguesas está longe de ser uma realidade? Espero que sim, mas enquanto se criam museus e institutos e enquanto eminentes políticos como Marcelo Rebelo de Sousa dão o apoio à causa criacionista, nós não podemos ficar descansados. Como paleontólogo e devoto adepto da evolução e da Ciência, não posso deixar de ficar deveras perturbado.


Apenas uma teoria?

Os criacionistas reforçam o termo “Teoria” quando se referem à evolução. Existem milhões de evidências a favor da evolução e esta já passou a prova do tempo e dos testes científicos. A evolução não é apenas uma teoria, a evidência a suportá-la é esmagadora. Infelizmente, a ignorância a suportar o criacionismo também é esmagadora.

8 comentários:

Carlos Marques (estudande de Biologia na UMa) disse...

É triste vermos um movimento com ideias tão arcaicas e estúpidas a vingar em solo Português !A evolução é um facto!Por acaso já tive a infelicidade de ler alguns artigos no site desse dito "instituto", e vi lá cada bacorada escrita, que até me arrepiou!Como é que há pessoas ainda a divulgar este tipo de coisas ilógicas, onde a justificação é "porque deus assim fez"..........Enfim, esperemos que isto não se torne uma ameaça aos ensinamentos nas escolas!
Por fim só tenho pena das crianças, que vão ser alvo de lavagem de cerebro, levadas a acreditar nestas ideias..........

Fernando Martins disse...

Coloquei nos Blogues GeoLeiria, Geopedrados e Departamento de Ciências da Esc. Correia Mateus este post, com referência à autoria e proveniência...

Anónimo disse...

Este blog é uma agradável surpresa, e desconhecia o avanço destas teorias em Portugal. Mas como em todas as áreas, neste nosso tempo parece que retornamos ao Ancient Regime absolutista e ignorante, parece que se pretende apagar o século das Luzes e do conhecimento.

Uma vez mais parabéns por este blog

Nuno Ferreira

André disse...

Evolução é SIM uma teoria: uma teoria CIENTÍFICA. Criacionismo é mito, nem chega a ser hipótese.

Em meu site, eu escfrevi a diferença de cada um dos dois, dando amplo embasamento científico ao público leigo.

http://ceticismo.net/ciencia-tecnologia/evolucao-vs-criacionismo/

Octavio Mateus disse...

Agradeço o comentário, mas tenho que discordar do André que escreveu o último comentário ao post.

A evolução não é uma teoria… é um facto tão real como a radioactividade, e gravidade ou o heliocentrismo. É um facto explicável por uma teoria: a selecção natural darwiniana. A evolução sempre existiu e mesmo antes de ser postulada e teorizada, e existiria mesmo que não houvessem humanos no planeta. A evolução é um facto!
O criacionismo é uma hipótese sem qualquer fundamento sério.

samdizque disse...

De micro-evolução nós temos evidências, em relação à macro-evolução (evoluir de uma espécie para outra), é mais um mito, como tu dizes que é o criacionismo.

Acreditar em Deus ou acreditar na Evolução é exactamente a mesma coisa... É ter Fé. Eu tenho Fé em Deus, tu tens Fé que evoluíste.

Octavio Mateus disse...

Acreditar na Evolução ou em Deus NÃO é a mesma coisa.
Eu acredito na Evolução porque há factos que a sustentam. Factos verificáveis e testáveis. E sei o que seria necessário para deixar de acreditar na evolução.
Por outro lado, acreditar em deus é um salto de fé (isto é, acreditar em algo sem argumentos empíricos e testáveis que o sustentem).

Lx disse...

A teoria da Evolução tem dos dias contados. Durará mais uns 20 anos no máximo. O criacionismo sobrenatual (Deus) também não terá melhores dias. Existe uma 3ª hipótese bem mais plausível, a que fomos criados cientificamente por extraterrestres semelhantes a nós e que eles são os "deuses" dos nossos antepassados. Até o próprio Richard Dawkins já sugere essa hipótese, basta ver a entrevista que deu com Ben Stein no documentário de 2008: «Expelled no intelligence allowed». Evolucionistas e Criacionistas Divinos, cuidem-se porque as experiências na criação de vida artificial(Craig Venter e outros cientistas) acabarão com os vossos 2 mitos obsoletos e dogmáticos.